Planilha de Registro de Pensamentos Disfuncionais

Alterando pensamentos automáticos disfuncionais através do Registro Diário de Pensamentos Disfuncionais (RDPD)

 

           Neste artigo você aprenderá sobre como o que você pensa influencia a forma como você se sente e como mudar o que você está pensando, de modo que possa sentir menos sentimentos disfuncionais ou emoções negativas desproporcionais ou descontextualizadas.

 

         Albert Ellis, renomado psicoterapeuta e criador da Terapia Comportamental Racional Emotiva, falava sobre a relação entre fatos, pensamentos
e sentimentos em termos de 3 componentes:

 

A = fato ativador ou a adversidade (o que aconteceu – as circunstâncias)

B= Crença ou interpretação (o que a pessoa pensa sobre o fato ativador)

C= Consequências (sentimentos e comportamentos)

 

            De acordo com o modelo ABC de Ellis não é A (adversidade) que vai gerar C (sentimentos e comportamentos), mas sim B (interpretações sobre as adversidades) que vai indicar como nos sentiremos e nos comportaremos. Dessa forma, o elo entre a situação e uma resposta resolutiva está na forma como processamos cognitivamente essas informações.

 

           Uma das estratégias usadas na Terapia Cognitivo Comportamental para mudar a forma como nos sentimos e nos comportamos é o registro diário de pensamento disfuncional (RDPD). Nesse registro você identificará os seus sentimentos, os pensamentos que geram esses sentimentos e a partir daí fará um questionamento desses pensamentos. Com esses questionamentos você poderá transformar esse pensamento em um outro pensamento que te favoreça, que te guie a ter sentimentos e comportamentos mais apropriados para lidar com aquelas situações.  Quando você muda o seu pensamento, o seu sentimento negativo diminui de intensidade e deixa de te gerar tantos prejuízos ou ainda melhor, gera emoções positivas e comportamentos mais adaptativos.

 

Instruções para o Preenchimento das Folhas de RDPD
 

        Cada vez que você perceber uma mudança de sentimentos ou de sensações tome isso como um sinal para você fazer seu registro.

Anote a situação em que isto está ocorrendo. Descreva-a de forma sucinta, mas não deixe de lado detalhes relevantes para que sua terapeuta possa compreender o que estava acontecendo.

 

       Especifique a(s) emoção(ões), sentimento(s) ou sensação(ões) (ex.: raiva, medo, taquicardia, falta de ar, etc.) que você esteja sentindo. Assinale
a intensidade de cada emoção numa escala de 0 a 100.

 

      Anote o(s) pensamento(s) automático(s) associados às emoções da forma como apareceram em sua mente e indique o grau de sua convicção para cada pensamento numa escala de 0 a 100.

 

      Anote cada resposta alternativa para o(s) pensamento(s) registrado(s). Cada uma será o resultado de uma análise racional que você está fazendo. Para isso, submeta-os às seguintes perguntas:

(1) que provas eu tenho da verdade de cada pensamento?

(2) que outras possibilidades eu tenho para compreender a situação? Qual é a pior coisa que pode acontecer? A melhor? A mais provável? Procure imaginar um amigo que pudesse estar passando pelo que você está e tendo os sentimentos e pensamentos que você está tendo, o que você diria para ele?

 

      Avalie o grau de sua convicção em cada resposta racional (0-100). Reavalie o grau de convicção em cada pensamento automático (0-100) e reavalie
a intensidade de cada emoção (0-100).

       Não adianta tentar fugir do pensamento automático causador de emoções negativas fortes, tentar suprimi-lo geralmente faz com que ele aumente.
A saída é tomar consciência do pensamento e aceitá-lo primeiramente para depois começar a questioná-lo e então propor pensamentos alternativos.

 

        Os pensamentos que você anotará na terceira coluna, são chamados de pensamentos automáticos. Recebem esse nome porque são pensamentos que você já se habituou a tê-los sem tomar consciência. Assim que eles vêm à mente já são tomados como verdades.  Muitos pensamentos automáticos são úteis e fundamentais para nossa sobrevivência, sobretudo para situações que precisamos ter rapidez de raciocínio. O que procuraremos nos atentar aqui são os pensamentos automáticos disfuncionais que são os geradores de prejuízos em nossa vida. A proposta da TCC  é ajudar o paciente a identificar esses pensamentos e modificá-los gerando interpretações mais produtivas e funcionais.

 

Se quer mudar a sua realidade, comece pela mudança de seus pensamentos. Use o RDPD como seu aliado para realizar uma mudança sólida e profunda em seu estado emocional.

 

 

 

 

© 2020 By Prisicila Silveira